top of page

A Corrente Materialista Histórica da Terapia Ocupacional: estudo de categorias e teorizações marxistas para a profissão.

Autoras(res):

Bruno Souza Bechara Maxta;

Nathália Gontijo Cançado Araújo.


Resumo: Introdução: O resgate da forma de pensamento e método críticos da Terapia Ocupacional, conhecida como Corrente Materialista Histórica da Terapia Ocupacional (CMHTO), advinda no Brasil nos idos de 1980, faz-se necessário ao debate franco que pretendemos contribuir sobre a perspectiva crítica da Terapia Ocupacional. Métodos: Estudo teórico sobre as obras nacionais centrais da discussão materialista histórica e dialética na Terapia Ocupacional. Objetivo: Apresentar as categorias fundamentais da CMHTO e parte da sua teorização no debate epistemológico da Terapia Ocupacional no Brasil. Resultados: O escopo epistemológico da Terapia Ocupacional, a finalidade e forma de intervenção profissional foram os objetos centrais do debate crítico da CMHTO a partir das obras de Karl Marx e Friedrich Engels sob as categorias trabalho, produção capitalista, mercadoria, alienação, hegemonia, ideologia, consciência de classe, práxis e luta de classes. A crise do papel profissional manifestou as contradições da profissão diante da incapacidade de responder às necessidades sociais e de saúde da classe trabalhadora. O método materialista histórico e dialético teorizado pela CMHTO, ainda que primário, aponta para a superação da abstração sobre a ocupação humana e o caráter funcionalista das práticas terapêuticas ocupacionais que sustentam a reprodução à ordem do capital. Conclusão: O debate crítico epistemológico da Terapia Ocupacional continua em aberto. A reconstrução da CMHTO responde ao chamado da nossa base profissional combativa à forma atual do capitalismo sob as novas e conhecidas questões e necessidades da classe trabalhadora.


Palavras-chave: Terapia Ocupacional; Marxismo; Capitalismo; Epistemologia; Brasil.



Posts recentes

Ver tudo

Prostituição: Para além do "ser ou não ser profissão".

Autoras(res): Marília Duarte de Souza; Deise Luiza da Silva Ferraz; Jade Mariá Pais Vaz de Melo. Resumo: Objetivamos analisar a prostituição enquanto atividade subsumida a um processo de produção e va

Comments


bottom of page