top of page

Ideologia, subjetividade e afetividade nas relações de trabalho: análise do filme 'Que horas ela volta?'

Autoras(res): Deise Luiza da Silva Ferraz;

Marcos Moura-Paula;

Bárbara Katherine Faris Biondini;

Aline Fábia Guerra de Moraes.


Resumo: A ideologia, encarada ontologicamente, serve como meio de orientação para determinadas práticas sociais, que ocorrem em consonância aos interesses de uma classe específica e promovem a manutenção ou superação de determinados conflitos na sociedade, encontrando na afetividade um facilitador de sua reprodução. Na atividade das trabalhadoras domésticas a afetividade é um ponto importante em sua relação com o ambiente de trabalho. Por meio da análise fílmica, nosso objetivo foi analisar o conteúdo constitutivo da subjetividade das trabalhadoras domésticas que reproduzem determinada ideologia perpassada por elementos da afetividade mediante a análise do filme “Que horas ela volta?”. A subjetividade das trabalhadoras domésticas é construída a partir da ideologia que permeia a relação de trabalho em que elas estão inseridas e que as relações estabelecidas na esfera familiar acabam ganhando cunho afetivo, o que, por vezes, impede o desenvolvimento de relações formais de trabalho e reforçam certas posições dos trabalhadores em diferentes estratos de classe.


Palavras-chave: Afetividade; Análise fílmica; Empregadas Domésticas; Ideologia; Subjetividade.




Posts recentes

Ver tudo

Prostituição: Para além do "ser ou não ser profissão".

Autoras(res): Marília Duarte de Souza; Deise Luiza da Silva Ferraz; Jade Mariá Pais Vaz de Melo. Resumo: Objetivamos analisar a prostituição enquanto atividade subsumida a um processo de produção e va

Kommentare


bottom of page